Seus cabelos…

11 abr

Estou me perdendo na ordem cronológica…
O segundo menino que fiquei foi resultado dessas minhas loucuras de aceitar todos os convites. Eu já o conhecia pela net a alguns anos, era amigo real de um amigo. E um dia ele me chamou para ir ao cinema, e aceitei. Pelas fotos, ele era tão feio, era péssimo conversar com ele pelo msn, escrevia errado, sem pontuação, tinha que ficar relendo para realmente entender, mas mesmo assim aceitei.
Quando ele chegou, o que ele aquilo? Lindo, maravilhoso, os olhos mais lindos que já vi. Fomos para o cinema ficamos, até ai tudo lindo.
Depois ele quis comer, ir comprar algumas esfihas. Fomos, mas estava muito cheio o restaurante então ele sugeriu ir para a minha casa. DOIDO
Mas fomos! DOIDA
Ele é uma pessoa legal, vamos aqui chamá-lo de Leitão, aquele do ursinho Puff. Mas ele já falava em namoro, que estava gostando de ficar comigo.
Me ligava e ficava horas no telefone (eu odeio telefone), eu falava para ele que odiava telefone, e ele me ligava a noite. Gente isso começou a me irritar, muito, muuuuito.
Eu pedia para ele não me ligar, e ele ligava. Falava que não queria mais, e ele vinha me encontrar. Falava que não queria sair, e ele me convidade. Ele ouvia tudo ao contrário, que coisa irritante.
(para vocês terem idéia de como eu estou de saco cheio dele, demorei uma semana para ter corajem e terminar este post)
Em fim, isso até que durou um tempo, um mês, tempo suficiente para eu não querer nunca mais.
E hoje, por intervenção Divina (acredito eu) ele não me liga mais!
P.S.: Ele tinha uma coisa que me irritava muito: o cheiro do cabelo. Gente, para mim era o pior cheiro do mundo, e o pior de tudo é que toda vez que eu lembro dele, o cheio vem junto.

Eu te vi!

11 abr

Na sexta eu vi meu menininho. Estava vestido péssimamente, mas estava lindo. Meu Deus, eu ainda o amo!
Como isso?
Passei meu final de semana péssima, ficar com ele foi muito bom, conversamos, comemos.
No final da noite mandei uma mensagem, falando que desta vez, eu que tive que me segurar para não te beijar (ele sempre me manda uma mensagem assim depois que de nos vermos) e ele me responde, entre outras palavras: “… até agora não sei o que você está fazendo fora da minha vida.” Eu chorei, muito, passei o final de semana mal, (como já falei), pensei nele todos os minutos do meu dia.
Pensei também no outro palhaço, que ainda não contei, que iremos chamar de… de… “O mentiroso”. Como queria que ele tivesse me ligado, mas não ligou.
No domingo meu menininho me ligou, ele percebeu que não estava bem, e conversamos um pouco, ele falou que ainda me amava, mas sabia que se tentassemos voltar agora não daria certo. Que bom que ele sabe!
Mas mesmo assim, fiquei pensando em como sinto falta dele, em como queria estar ali abraçada com ele.
Minha vida parou de fazer sentido, eu queria ficar deitada na minha cama até o mundo acabar (o que não irá demorar muito, segundo um certo pastor, acabará dia 21-05-2011, então: logo!), mas infelizmente eu não posso fazer isso, tenho que levantar e acordar, mas que difícil.

O primeiro…

6 abr

Passando toda a fase de choro (que não tinha bem passado), algumas coisas engraçadas começaram a acontecer: pessoas ressurgindo das profundezas do mar sem fim (filme lindo por sinal). Incrível! Pessoas que nem lembrava que me conhecia se manifestaram quando nas redes sociais comecei a ser apresentada com um perfil “solteira”. Realmente incrível, isso nuca havia ocorrido, foi um momento de acordar o Ego, tirar o poeira, mandar ele tomar um banho e colocar um belo terno. Gente, não estou querendo me achar, nunca fui disso, mas isso é muito bom para qualquer mulher. Você senti que existem pessoas no mundo que te admiram, mesmo que seja só a aparência no começo.
O primeiro rapaz com quem fiquei vamos chamá-lo aqui de Fanboy . Eu já havia dado um beijo neste rapaz antes mesmo de começar a namorar, eu era louca por ele, não louuuuca, mas louca, entende? Mas uma hora eu fiquei de saco cheio de ficar tentando conversar com ele, ser legal, então comecei a falar apenas o básico com ele. E não é que ele começou a falar comigo? Por que vocês homens têm dessas coisas? Não é mais fácil manter um diálogo quando a menina também está afim disso? Precisa mesmo esnobar, para depois, quando ela começar a fazer isso vocês começarem a se mexer? Realmente não entendo… Em fim, depois do beijo que ele me deu, ele sumiu. Desapareceu, tomou pó-de-pirlimpimpim. E eu fiquei sem entender nada. Ele sempre foi daqueles de fazer gracinhas, paquerar, ficar falando que é louco… Mas nunca havia acontecido nada. E quando aconteceu eu fiquei tão surpresa, eu realmente não esperava. Então foi só isso que aconteceu. Alguns meses depois eu comecei a namorar, mal falava com ele.
Assim que terminei ele voltou a conversar comigo, trocamos telefone, e um dia ele me ligou. Conversamos por um bom tempo, e continuamos por um tempo pela net.
Mas depois de um mês mais ou menos, e nada, as conversas foram diminuindo e minha paciência também, então parei de ficar curtindo as coisas dele no face (que coisa horrível de se declarar). E não é que do nada ele me chama para ir no cinema? Eu fui (lógico). Ele enrolou o filme todo (ah, escreverei logo um post exclusivo sobre eu e o cinema após ter me tornado ex-namorada), e nada. Quando estávamos indo embora finalmente um beijo., e alguns outros.
Desta vez ele não desapareceu, continuou a falar comigo. Um tempo depois começou com a história de saudade, que queria me ver novamente, mas nada até agora. Eu parei de chamar ele para sair, e confesso que nem me interessa mais, ai mais se eu conseguisse entender o que se passa nessas cabecinhas.

Sozinha?

6 abr

Uma coisa que comecei a perceber depois de um tempo sendo ex-namorada é que estava sozinha. Mas muito sozinha. Sozinha mesmo. Sabe? Completamente sozinha, sozinha. (chega, acho que já entenderam).
Eu sentia muita falta do menininho que era meu namorado. Mas ainda muita raiva dele.
Então, tentava a todo custo não ficar em casa. Saia para qualquer lugar. Andar no shops para fazer nada. Ou ir no cinema, ir muito no cinema. E aceitar todos os convites.
Eu comecei a ser uma pessoas mais acessível, e mais flexível. Tentando a todo custo não me sentir a menor, pior e mais desprezível e solitária pessoa do mundo, mas digo que não foi fácil, na verdade ainda não está sendo fácil não me sentir assim as vezes. Será que isso irá durar para todo o sempre?

O fim…

6 abr

Vamos ao meu primeiro parágrafo efetivo sobre minha vida.
Não vou aqui discorrer sobre os detalhes do meu relacionamento, irei fazer um sinopse, apenas para vos colocar no contexto.
Comecei a namorar um aluno, da escola onde eu dava aula de informática. Mas eu logo sai da escola, então esta falta de ética não perdurou. E só para ninguém ficar achando que eu era um tiazinha safada, eu tinha 16 anos e ele 18. Normal!
Até o segundo ano de namoro foram maravilhas, mas o ultimo ano foi de pedra.
Devido a correria – faculdade e trabalho – não tinha muito tempo, então o tempo que me sobrava era dedicado a ele. Isso acarretou que me afastei muito (muito mesmo) de todos os meus amigos – coisa que me arrependo.
Começaram diversos problemas, desentendimentos… Em fim, terminamos.
Eu gostava muito dele, e não tenho dúvida que ele de mim. Mas não deu certo.
Assim, depois de terminado o namoro definitivamente, pois terminamos muitas vezes já – por dois dias -, eu me vi ali: sem ele, sem meu namorado, sem meu companheiro. Mas me vi sem “EU” também, pois como bem diz aquela música do Titãs: “Não me lembro como eu era antes de você”. Mas não no mesmo contexto da música, e sim de uma maneira desastrosa.
Não tinha mais meus amigos, meus costumes eram outros, e havia deixado muita coisa de lado, e tinha agora que me recolocar no mundo, uma tarefa NADA fácil.