Não só tenha opinião…

14 maio

Tenha argumentos suficientes para conseguir expressar a sua opinião, pois de nada valerá se ela for guardada na caixinha decorada com um cadeado dentro do corpo que você carrega.

Opiniões são valiosas, elas fazem parte de seu caracter e não deve ser encarada como algo a ser imposto. E sim como algo à SER ACRESCENTADO. Cada um é cada um, não eh? E assim as opiniões acompanham, e por mais que você discorde e a maior parte (ou não) da sociedade discorde, ela deve ser respeitada, ouvida e analisada.

Sociedades são compostas por grupos de pessoas com costumes e crenças diferentes. Com idéias e princípios distintos. Uma sociedade não pode ser composta por cópias de um mesmo ser, integralmente. Todos fariam as mesmas coisas, o mundo seria habitado por 7 milhões de corpos e 1 mente!

E hoje nos deparamos com várias mentes, mentes muitas vezes vazias cheias de informações processadas,  mastigadas. Amarrotadas de opiniões alheias. E não condeno a cada um de nós isoladamente, e sim todos nós, pois construímos uma linhagem de aprendizado que condiciona este processo.

Ninguém nasce sabendo, e ninguém nasce sabendo como deve saber, ou seja, É PRECISO ENSINAR A APRENDER. Confuso? Pois é, não é nada simples. Mas trata de apresentar caminhões e orientar, e não impedir de que façam escolhas que vão contra a sua.

Devido  isto, existem pessoas que se julgam melhores e superiores. Que acreditam fielmente que podem impedir outras pessoas de fazerem escolhas, que eles tem o DIREITO e OBRIGAÇÃO de fazer isso. E cabe a nós, que pelo menos tentamos ver além do cabresto que estamos acostumados, ajudar outras a fazerem o mesmo, ou pelo menos apontar um foco de luz lá na frente.

Anúncios

(Re)Encontrei a princesa.

9 maio

Encontrei meu príncipe encantado.

Você sabia dês de sempre que seria sua. E eu boba, ficava aqui me remoendo esperando um brilho.
Então você chegou com seu cavalo branco, desceu me olhou e disse: Vamos comigo para o paraíso?
Não pensei duas vezes, e um sorriso logo se abriu em meus olhos. Você pegou minha mão e me levou, para onde jamais alguém poderia me levar: só você, só você podia.

Hoje conversando com uma pessoa que não falava a anos, ele me perguntou: por que você está solteira?
Ele ficou espantado quando falei que não estava namorando. Pois como ele mesmo lembrou, nunca me viu sozinha. E é verdade. Terminava um namoro e logo engatava outro, não para tentar esquecer, mas sim porque estava carente (eu acho).
Observação que muito me lembra uma frase que li no livro da maravilhosa Elizabeth Gilbert, Comer Rezar e Amar. Ela também tinha este sério problema.

E o que pude perceber é que isso é medo de ficar sozinha. Nunca fui uma pessoa de muitos amigos, sai toda hora, com turma… Eu saio com o meu namorado. E isso só piorava essa situação, criando um abismo, onde está você e seus relacionamentos de um lado e seus amigos do outro.

O que estou querendo dizer é que o rumo deste pots mudou completamente (ou não, talvez ainda dê para voltar ao poeminha).
Eu não sei mais o que escrever além de que estou triste agora.
Não sou uma pessoa sem amigos e vim aqui me lamentar, mas acontece que pisei na bola feio com eles e está sendo difícil reconquista-los.
Não estou sabendo lidar com as múltiplas faces que um ser humano deve ter.
Mas acho que poderia deixar de ser “a menina séria” e começar a ver a vida de outra maneira, não larga tudo como fiz este ultimo mês, mas parar de me preocupar demais com tudo e todos, o que vão pensar, o que vão achar, e começar a fazer, a falar, independente dos outros. Mas claro não se tornando uma cretina. O que estou falando é que não quero mais deixar de fazer as coisas por achar que iram achar de mim, palhaçada isso.

Eu sou uma boa pessoa, e amigos me admiram pelo que sou, e acho que já passou da hora de ter mais confiança em mim e começar a abrir meus próprios caminhos.

Essa maravilhosa imagem (da Nubia Abe) ilustra meu pensamento.
Por mais que o mundo esteja de ponta cabeça, ele ainda pode continuar lindo.

Os cartões postais que faltavam

1 maio

Essa é a cara de uma sexta-feira a noite no dia do aniversário do seu melhor amigo…

Tem amigos que são únicos!

Lembrem-se sempre dessas meninas!

E para quem quer mais, tem aqui.

Como reconhecer um cafajeste mirim

1 maio

Prefira os que queren fusca então!

Amor, sexo ou transa?

1 maio

Inspirada em uma propaganda (logo abaixo) e nos últimos acontecimentos entre mim e O mentiroso, resolvi escrever um post sobre amor e sexo.

Quando você gosta de alguém, qualquer coisa com aquela pessoa pode se tornar mágico e maravilhoso. Você fica feliz, satisfeita, alegre, animada, realizada… E por que isso? Porque você confia. Porque você gosta. Quando você faz alguma coisa com segurança e feliz ela sai maravilhosa. Tenta fazer um bolo quando você está chateada, de TPM, e não para de chorar, vai prestar? Não vai, não adianta. Agora faça um bolo num belo dia, feliz, cantarolando, vai ficar bom? Ai depende, ele pode sair queimado. Mas isso não vai te chatear.

Quando vemos um filme abraçadinho com alguém que é especial para nós em um sofá em um dia de frio, tomando um maravilhoso chocolate quente, é maravilhoso.

Não basta a pessoa ser especial para ti, você tem que ser especial para ela.

Por isso, fazer amor com quem amamos, e com quem nos ama é bem mais gostoso.

Fazer sexo com quem temos certa afinidade, um “ficante”, por exemplo, que não tem o mesmo carinho que um amor talvez, mas te trata bem, e você se sente bem quando está com ele, não deixa o sexo maravilhoso, mas pode torná-lo satisfatório, prazeroso, e você pode ficar (provavelmente ficará) com vontade de ter este momento novamente, ou não. Mas você se sente bem: antes, durante e depois.

Agora transar com alguém, por transar, pode te ferir e muito. Fazer algo sem pensar e no impulso pode resultar em dores de cabeças por muito tempo. Aquela história de se arrepender por ter feito e não por não ter feito, deve ser analisada, fazer algo que você sabe que vai te ferir, que você irá se arrepender, é burrice.

Mas existem aqueles casos onde para nós é sexo, e para eles é transa: gatas, eu aconselharia a não fazer, ainda mais quando você sabe que para ele é uma transa.

Assim, como existe o sexo que pode virar amor, quando isso acontece, o dia amanhece lindo, sorridente para você.

Mas nunca podemos adivinhar o que aquele momento significa para a pessoa, e cabe a nós tornar aquele momento especial. Para nós em primeiro, porque estando feliz podemos deixar a outra pessoa feliz.

E lembre-se: faça amor, sexo ou transa com segurança!

Erramos o caminho…

1 maio

Abandonei isso aqui um pouco porque entrei em um estado profundo de “vagabundice”.

Deixei tudo para lá por um tempo, eu to ficando maluca.

O que vim contar aqui foi sobre a coisa feia que eu fiz. Rs

Eu saio com O mentiroso, e na volta erramos o caminho e fomos parar em um motel.

Sem detalhes.

Homens tem um grande problema de achar que uma mulher é “puta” porque ficou com ele, no meu caso, já estamos juntos a mais de dois meses, mas juntos sem quaqluer compromisso.

Eu não fiz sem pensar, e aconselho a todas não fazerem isso sem pensar, para depois não ficar se remoendo de culpa.

Faça porque você quer, porque te deu vontade, e faça desta experiência prazerosa, sem pensar no que ele vai pensar, ou fazer.

Se ele for um babaca a ponto de achar que você não presta por ter feito isso, mas vale a pena se desgastar por ele.

Na primeira semana após, O mentiroso, me tratou super bem, saímos. Mas eu sei que no final de semana que ele viajou e não pude ir, outra menina estava com ele. Confesso que não sei lidar muito bem com isso, como já expliquei. Mas definitivamente, estou bem. Curto os momentos que estou com ele, e não espero uma ligação no outro dia (claro que se ele ligar vou ficar feliz), não faço disso minha cruz, que carrego todos as horas do meu dia me perguntando: O que será que ele está pensando sobre isso? Vou vê-lo novamente? Ele contou para os amigos?…

Gatas, vocês são poderosas, e lembre-se: os homens são atraídos pela confiança que temos sobre nós mesma. E se você é confiante não precisa de homens babacas de fazendo de idiota. E ficar com um idiota também não é problema.

Abaixo tem um vídeo de um blog muito interessante, e ela fala sobre a questão de “Dar no primeiro encontro”, vejam…

Melhor piada do mundo!! *o*

17 abr

Relação-não-relação

16 abr

Um outro problema é: não me apegar as pessoas! Eu não consigo manter uma relação, sem ter uma relação, me relacionando com alguém, mas sem estar relacionado. Entende? Lógico que entendeu… Como não poderia?!

Ficar apenas uma vez não chega perto da caixinha de estar se relacionando com alguém, até ai consigo entender. Mas ficar várias vezes, durante um tempo, isso já abre a tampa.

Então não entendo, não sei como me comportar diante uma “relação-não-relação”. Ficar sem compromisso, se ver durante 5 dias seguidos, ficar sem se falar durante 10, sair durante duas semanas, ficar sem se ver durante três.

Não estou aqui querendo ser louca e querer visitar periódicas, não se trata disso. E sim de… Não sei descrever.

Se estou com uma pessoa, mesmo que não seja algo serio, se falar as vezes, se ver as vezes tudo bem. Estamos “ficando”. Podemos viajar, ir à festas juntos, pois estamos “ficando”. Agora ficar com uma pessoa durante um tempo, depois agir como se nada tivesse acontecido, e depois relembrar e ficar novamente, isso não dá.

Uma coisa que o Fanboy fazia e que me deixava doida era ficar me provocando, mas não tive esperanças com ele, e nem fiquei confusa.

Com o Leitão eu que tive que dar um basta, pois não queria continuar saindo com ele.

Mas com O mentiroso, eu estava gostando de ficar com ele, e queria sair com ele nos finais de semana, mas nunca dava, e o fato dele ficar sem falar comigo… (a continuação sobre ele está em outro post). O comportamento dele me deixou bem confusa. E o fato dele não falar meu nome para as outras pessoas no telefone: Estou com uma amiga! (ta isso é paranóia).

Em fim, eu não sei como me comportar. E não sou de ficar com mais de uma pessoa, então… Não faça nada!

Nada acontece sem querer!

O patinho feio!

16 abr

Quando terminamos um namoro enfrentamos um problema: o que fazer? Como fazer? Entre outros milhares. Um dos maiores problemas que estou enfrentando e em me relacionar com as pessoas. Nunca fui de ficar em rodinha conversando, sair depois das aulas, depois do trabalho para bater papo, e isso fez com que me tornasse uma pessoa fraca. Com um namorado, você cria um laço, que acaba deixando você confortável na maioria das situações, fazendo com que você saiba articular a situação, podendo, por exemplo, participar de em uma conversa aleatória.

Mas mesmo assim, sempre tive dificuldade nisso.

Os meus amigos não percebem, pois com eles eu consigo. Mas não sou uma pessoa de muitos amigos e não consigo resgatar assuntos rotineiros, acontecimentos engraçados para manter um diálogo com quem não conheça. Isso me atrapalha e muito, só depois de conhecer a pessoa um tempo, consigo colocar a cabeça para funcionar e estabelecer um diálogo.

E agora que não tenho mais o meu menininho por perto, isso fica potencializado.

Eu meio que me sinto excluída. Simplesmente não consigo me entrosar facilmente.

(o foco deste post já se foi, e nem deixou uma cartinha)

Agora eu preciso me redescobrir, me jogar no mundo… Ler, ouvir, ver, discutir…. Saber construir. Isso não é uma tarefa fácil, eu sei disso, estou atrasada.

=/..... xD

Você: O mentiroso!

16 abr

Bom dia, primeiro quero logo avisá-los que estou com sono, muito sono. Mas feliz, muito feliz. Feliz porque ficarei livre do meu chefe a semana toda (assim espero) e com sono porque fui dormi quase 1h, para acordar as 5h, então, não poderia ter outro resultado a não ser sono.
Hoje irei falar sobre o segundo rapaz que fiquei. Ele é “O mentiroso”.

Não teria imagem melhor para descrever o que faço...

Conheci o dito cujo por meio de um colega, ele queria sair comigo, ai nos encontramos e ele havia encontrado dois amigos dele minutos antes de eu chegar, um dele era “o mentiroso”. Eu gostei dele.

Logo adicionei ele nas redes sociais e conversamos algumas vezes. Trocamos telefone e um dia ele me mandou uma msg, e então saímos, fomos ao cinema. Ficamos neste dia, e foi bom, ele falou que tinha gostado de mim do primeiro dia que me viu.

Em fim, saímos mais algumas vezes na mesma semana, e na próxima, e na outra… Ficamos uns dois meses nos vendo. Ele me chamou para viajar, mas não deu certo. Ficamos um tempo sem nos falar e depois voltamos, e continuamos nos vendo, então começou a canalhice…

Homens são mil vezes mais complicados do que as mulheres. Nós somos indecisas, bipolares, controladoras…. Mas homens são falsos, indecifráveis, confusos… E o pior: “chavequeiro”. Eu não tenho experiência o suficiente para conseguir detectar um cafajeste, mas estou começando a achar que só atraio este tipo. Sempre caio nessa conversinha mole (vocês vão ver como eu cai novamente).

Em um dos dias que nos vimos, ele me chamou para viajar com ele, só nos dois. Fiquei surpresa de primeira, mas aceitei, pois gosto de ficar com ele. Ficamos então de ver um local legal…

Na outra semana era o aniversário dele, e durante a semana marcaram uma festa, e adivinhem? Ele não me convidou. Não falou mais comigo, não deu sinal de vida. E desta vez eu não fui atras dele.

Fiquei tão mal com isso, ficamos umas três semanas sem nos falar, aiiiii… “O mentiroso” publicou vários textos em uma rede social sobre sua atual conquista, e aproveitei um dos textos para dar uma resposta. Falava sobre caráter, hipocrisia… Respondi de uma maneira adequada (por sem publicamente), mas buscando deixar claro o quanto este tipo de pessoa é maléfica, que no caso seria ele, mas o cabeçudo não percebeu, ou quis das uma de “joão sem braço” e gostou do que escrevi, e dali dois dias me ligou.

Eu deveria para por aqui, o que vem a seguir não deveria ter ocorrido, mas aconteceu, então devo contar. Aliás, tenho que terminar esta parte fútil do blog logo, pois só escrevi isso até agora.

Fiquei muito surpresa com ligação, e não conversamos muito. No dia seguinte mandei uma mensagem falando que não havia ficado feliz com o que havia ocorrido e que não era o tipo de pessoa que ele estava pensando que sou, pois as suas atitudes não condiziam com o comportamento que veria ter. Ele logo me respondeu falando que não era nada disso… Isso acabou que nos encontramos a noite e ficamos conversando por um tempo.

Olha como as pessoas conseguem fazer das relações humanas uma baita de uma confusão, não?

Conversando sobre o que havia acontecido, sobre a viajem, sobre o niver. Ele me deu uma dúzia de palavras falsas, e eu cai. Sabia que não deveria, mas “voltamos”. Então ele combinou comigo de manter contado. Devido ao fato do que falei sobre não saber lidas com situações assim (isso merece um post a parte). E voltamos a ficar! Ridículo